Matérias Por Trás da Dublagem

Por Trás da Dublagem: Stranger Things.

Estrondoso sucesso em todo o mundo, Stranger Things conquistou o coração do público ao misturar, ficção científica, aventura e comédia numa trama que é uma viagem aos anos 80. A série está recheada de referências à cultura pop da época, desde as brincadeiras, músicas, costumes e roupas até a linguagem usada por seus personagens, e é aqui que a dublagem brasileira cumpre muito bem o seu papel.

Para passar toda a nostalgia da época, não basta que o telespectador se alimente do conteúdo visual oferecido pelo seriado, é necessário que os trejeitos nas falas, as gírias e interjeições da época em que a história acontece estejam presentes nas cenas. Mas obviamente que as expressões faladas pelos jovens nos Estados Unidos na época não eram as mesmas em uso no Brasil.

Nesse momento entra em cena o papel do tradutor, em alguns casos em parceria com o diretor da série, para buscar expressões que possam substituir a forma de se falar de uma personagem sem que com isso prejudique o contexto da cena. Na primeira temporada essa função ficou a cargo do tradutor Luiz Tavares e do diretor Sérgio Cantú, atuando na Delart, estúdio carioca encarregado da dublagem do programa.

Uma outra questão a ser enfrentada pela dublagem é que tais gírias ficam bem naturais se pronunciadas por alguém que conhece seu valor dentro da prática do falar. Aqueles que vivenciaram os anos 80 não terão problemas em usar “chocante”, “o maior barato”, “pentelhar”, isso soará natural pra eles, ainda que essas expressões já estejam em desuso. Mas e para um jovem dublador? Entra em cena então o diretor, primeiro escalando jovens que consigam passar essa credibilidade, depois explicando a contextualização dela dentro da fala de uma personagem.


Sérgio Cantú escalou uma garotada motivada e inspirada pra essa função. Aqui destacamos Arthur Salerno (Mike), João Victor Granja (Dustin), Daniel Pim (Lucas), Victor Hugo Fernandes (Will) e Isabelle Cunha (Onze), essa última quase sem atuação na primeira temporada, mas que ajuda a cunhar alguns bordões devido às falas graciosas “amigos não mentem”, “troglodita” e “bonita?”

Leia Também:  A troca de dubladores que desagrada os fãs.

Some a esse elenco infantil vozes realmente eficientes em interpretação e técnica e temos uma dublagem memorável. Casos de Miriam Ficher (Joyce), Maurício Berger (Delegado Hopper), Ana Elena Bittencourt (Nancy), Luiz Sérgio Vieira (Jonathan), que fazem os personagens de Hawkins realmente falarem em português sem nenhuma artificialidade nisso.

A Mudança na Direção de Dublagem.


A segunda temporada chegou com muita badalação, empurrada pelo sucesso alcançado pelos episódios de estreia. A dublagem permaneceu na Delart mas a direção foi parar nas mãos do também eficiente Philippe Maia. Ele achou o trabalho um presente, pois além de um amante da cultura pop, também vivenciou a década de 80. “O que eu consumo de cultura, de música, de filmes, praticamente vem tudo dessa época ou inspirado dessa época”, afirma Maia.

Isabelle Cunha (Onze) e o diretor Philippe Maia.

Em sua direção Philippe Maia contribuiu ricamente com três pontos: manteve o elenco original, manteve o nível de qualidade alto ao escalar os dubladores dos novos personagens que ingressaram nessa temporada, e principalmente trouxe vozes conhecidas dos anos 80.

Se a série possui essa proposta nostálgica, por que não realçar trazendo dubladores que eram constantes em produções dos anos 80? Ele começa escalando Oberdan Júnior, afastado da dublagem já tem algum tempo, para fazer o ator Sean Astin (Bob Newby). Astin destacou-se nos anos 80 por interpretar Mikey Walsh em Os Goonies, claro que ele foi trazido à série como uma homenagem à década e Maia botou mais tempero trazendo seu dublador da época.

Some a isso outras vozes que são a cara dos anos 80 como as de Júlio Chaves (Arqueiro, She-Ra), Maria Helena Pader (Fran, Família Dinossauro), Ricardo Schnetzer (Hank, Caverna do Dragão), José Santana (Narrador, Super Amigos) e Mário Jorge Andrade (Gorpo, He-Man), então fazemos uma breve viagem cada vez que uma fala conhecida da época aparece na tela.

Leia Também:  Por Trás da Dublagem: A primeira dublagem de De Volta Para o Futuro.

Maia também foi responsável por escalar os dubladores dos novos personagens que ingressaram na segunda temporada, casos de Maria Fontenelle (Max), Charles Emmanuel (Billy) e Ana Helena de Freitas (Érica), essa última teria seu grande momento na temporada seguinte.

A Terceira Temporada.


Depois de tanto tempo de espera, de tantas divulgações feitas pela Netflix, a terceira temporada de Stranger Things finalmente estreou. Novamente Philippe Maia abraçou a direção. Ele que já tinha o elenco em mãos extraiu o máximo de cada profissional escalado. Guilherme Menezes faz um excelente trabalho na tradução e adapta situações cotidianas americanas de maneira tênue sem prejudicar o conteúdo da série.

Mais uma vez ao longo dos episódios temos gratas surpresas com aparição de vozes consagradas dos anos 80 como Garcia Júnior (He-Man), Dário de Castro (Sonny, Miami Vice), Isaac Bardavid (Esqueleto, He-Man), Carmen Sheila (Cheetara, ThunderCats), Selma Lopes (Marge Simpson, Os Simpsons) e Ilka Pinheiro (Mulher Maravilha, Super Amigos), contribuindo ainda mais para o clima nostálgico que o seriado procura propiciar.

Oberdan Júnior (Bob) com o diretor Philippe Maia, um retorno estratégico.

Até no vozerio da série não faltou dubladores com vozes marcantes na década de 80. Na terceira temporada dentro da redação do The Hawkins Post podemos ouvir Léo Abrantes (locutor da Telecine) falando “Essa garota vai longe!”, e José Santa Cruz que faz uma homenagem a um personagem marcante da sua carreira o J. Jonah Jameson, quando diz: “Isso é um ultraje” num tom debochado.

Na ocasião, os dubladores mirins, muitos já na adolescência, tinham seus canais e redes sociais, e a interação deles com o grande público fez da dublagem de Stranger Things um produto reverenciado pelos fãs.

Leia Também:  Top 10: Dublagem de vilões dos anos 80.

Sim, a opção dublada de Stranger Things é a melhor forma de ver a série. Você não irá perder em interpretação ou contexto. O carinho e dedicação dos profissionais brasileiros merecem ser conferidos nesse primoroso trabalho.

Veja o elenco principal de dubladores da série:


Joyce Byers
(Winona Ryder)
Miriam Ficher

Delegado Jim Hopper
(David Harbour)
Maurício Berger

Mike Wheeler
(Finn Wolfhard)
Arthur Salerno

Onze
(Millie Bobby Brown)
Isabelle Cunha

Dustin Henderson
(Gaten Matarazzo)
João Victor Granja

Lucas Sinclair
(Caleb McLaughlin)
Daniel Pim

Nancy Wheeler
(Natalia Dyer)
Ana Elena Bittencourt

Jonathan Byers
(Charlie Heaton)
Luiz Sérgio Vieira

Max Hargrove
(Sadie Sink)
Maria Fontenelle

Billy Hargrove
(Dacre Montgomery)
Charles Emmanuel

Robin
(Maya Hawke)
Amanda Manso

Erica Sinclair
(Priah Ferguson)
Ana Helena de Freitas

Karen Wheeler
(Cara Buono)
Márcia Coutinho

Ted Wheeler
(Joe Chrest)
Duda Espinoza

Bob Newby
(Sean Astin)
Oberdan Júnior

Dr. Sam Owens
(Paul Reiser)
Júlio Chaves

Murray Bauman
(Brett Gelman)
Anderson Coutinho

Dr. Martin Brenner
(Matthew Modine)
Marco Antônio Costa
Izaías Correia
Izaías Correia
Professor, roteirista e web-designer, responsável pelo site InfanTv. Também é pesquisador da dublagem brasileira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *